Imagine que Deus tem um sonho para você, um sonho de quem você é, e que você cumpra este sonho ao invés de pedir que Ele o cumpra

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

A felicidade, o sucesso, o amor … Podem chegar sem luta. Em sua conferência “A Potência e o Poder a serviço do Ser”, Christian Beyer nos revela esses dois conceitos-chave para a realização pessoal e sua relação com os hormônios sexuais e os dentes.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Muitas pessoas se perguntam como alcançar a paz interior, como fluir na vida e como saber quem realmente somos por trás da máscara inconsciente que os traumas e a educação criaram. O caminho que Christian Beyer propõe nesta conferência é conectar-se a nossa Potência e nosso Poder para deixar para tras um modo de vida de sobrevivência ancorado nos medos ou nos desejos do ego. Assim, felicidade, sucesso, amor … Eles vem não como resultado de uma luta, mas como expressão do plano que nosso Ser sempre teve para nós.

 

Beyer explica que “chamamos Deus de muitas maneiras: consciência universal, força quântica…, mas os astrofísicos são unânimes, Deus existe. Com a Potência você permite que Ele entre no seu interior “.

E como despertar nossa Potência? Como ativar nosso Poder?
O pai da psiconeurodontologia (o novo nome da decodificação dental), um doutor em odontologia e também um humanista inovador e um verdadeiro mestre espiritual, nos explica isso.
Mas, qual o papel que os dentes desempenham nesta tarefa?
Um muito importante …[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][ultimate_heading main_heading=”O que são Potênica e Poder e porque despertá-los” main_heading_color=”#1e73be” main_heading_font_family=”font_family:Montserrat|font_call:Montserrat|variant:300″ main_heading_style=”font-weight:300;” main_heading_font_size=”desktop:20px;” margin_design_tab_text=””][/ultimate_heading][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

A Potência é uma energia da nossa parte espiritual imprescindível para que se expresse o plano que nossa alma tem para nós. Essa energia é preenchida e se mantém armazenada de zero a seis anos e, mais tarde, permitirá o despertar da dimensão espiritual em nosso interior.

 

Beyer explica que a Potência necessita dos hormônios sexuais para que possa se expressar quando atingir uma idade. Quando estes não se desdobram plenamente o inconsciente biológico corta a conexão com essa Potência, o que, em diferentes graus, ocorre em quase todas as pessoas em nossa cultura. Em um caso extremo, quando este corte é total, a pessoa poderia ver-se mergulhada em depressão.

 

A mitologia grega fala sobre isso. Poseidon, “quem não é o deus dos oceanos, mas o deus da potência dos oceanos”, diz Beyer, “dá o cavalo ao ser humano, mas este cavalo deve ser domado, é por isso que Athena, a deusa da sabedoria, dá-lhe as rédeas”. Em outras palavras, nos primeiros anos se recebe essa Potência, mas logo tem que aprender a orientá-la com sabedoria.

 

O estabelecimento dessa energia tem uma cronologia ao longo da vida biológica. Entre o oitavo e o vigésimo primeiro dia de nascimento já existe uma pequena expansão dos hormônios sexuais. Aos seis anos, o segundo e mais importante despertar dos hormônios sexuais e a criança descobre a autonomia de consciência. O reservatório da Potência, esse cavalo que Poseidon nos deu, deve então começar a ser domado a partir da mente, os freios que Athena entrega. “Mas naquela idade, levamos a criança à escola para aprender coisas como a raiz quadrada de cinco. Coisas que não vão realmente ensinar-lhe o que é a vida “, explica Beyer.

 

Então, os 12 anos chegam e a maturação completa dos hormônios sexuais é desencadeada, o que leva o menino ou a garota a um novo estágio: a autonomia do pensamento. “Nós entramos na época em que a criança começa a dizer a seus pais que eles estão equivocados, que o mundo não é como eles vêem”. Desperta no  adolescente uma sensação de não pertencer, mas você tem que passar por isso para afirmar que é único, “e, para implantar quem você realmente é, necessitas de uma combinação de Potência e Poder, aos quais uma coisa deve ser adicionada: o amor. Mas não o amor de outro, mas o seu, sua própria capacidade de amar “.

 

A Potência também pode ser entendida como uma energia potencial. “Platão dizia que um bloco de mármore contém a potência de mil estátuas”, explica Christian Beyer. “É o mesmo com todos nós. Agora imagine que Deus tem um sonho para você, uma dessas mil possibilidades. É nisso que você deve se converter, não em uma idealização de seus pais ou algo que repare os sofrimentos de sua genealogia, uma projeção… Vá descobrir quem Deus sonhou que foras e cumpra Seu sonho em vez de pedir que Ele cumpra o seu. Quando realizares isso, já não te faltará nada. “

 

Quanto ao Poder, pode ser definido como a capacidade da mente para afirmar com as palavras o que é desejado. “O que eu faço e o que eu vivo está em minhas mãos decidir. Eu o afirmo, esse é o meu poder”. Enquanto a Potência está associada ao que é conhecido em algumas disciplinas, como o segundo chakra, no ventre, o Poder seria associado ao último chakra, no topo da cabeça. Este Poder começaria aos 12 anos e estaria totalmente implantado aos 18 anos, com a autonomia de escolha. Esses conceitos são desenvolvidos com mais detalhes nos três seminários presenciais de Beyer “O ciclo do espírito”, iniciado em 2017.

[/vc_column_text][ultimate_heading main_heading=”Por que temos a Potência limitada?” main_heading_color=”#1e73be” main_heading_font_family=”font_family:Montserrat|font_call:Montserrat|variant:300″ main_heading_style=”font-weight:300;” main_heading_font_size=”desktop:20px;” margin_design_tab_text=””][/ultimate_heading][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

A maioria das pessoas não crescem em um ambiente que favoreça o desenvolvimento natural da conexão com elas mesmas, com o elemento céu, com a dimensão espiritual. Elementos como as memórias traumáticas de nossa genealogia, as nossas próprias no útero ou na infância e convenções culturais muito distantes da concepção da vida como uma viagem de descobrimento da alma enchem nosso inconsciente de medos e deficiências que cortam a conexão com a Potência e acabam deixando o controle para o ego, “um ego solitário que só pensa em termos animais, de escolhas por segurança ou por prazer”.

 

Mas quando Beyer fala sobre espiritualidade, não se refere a rituais, ao esoterismo ou a embeber-se de centenas de livros. “A verdadeira espiritualidade está na experiência. Chega de procurar Deus em escritos”, explica, “os escritos são para permitir que você encontre o caminho de experimentar, e quando você tiver a experiência uma sinfonia do Ser aparece. Você terá chegado à evidência e não precisará mais das palavras”.

 

Essas memórias traumáticas limitantes podem ser detalhadas extensivamente com conceitos como traição, vergonha, injustiça, desespero, frustração, falta de reconhecimento, submissão, dúvida … Por exemplo, uma maneira, entre muitas, para reduzir o desenvolvimento natural dos hormônios sexuais e, portanto, da Potência, é quando os pais desejam o sexo oposto no bebê. Há uma mensagem inconsciente como “oh poxa, você nasceu um menino, mas já temos um, queríamos uma menina…”, ele explica. A falta de reconhecimento é registrada e o indivíduo então crescerá tentando inconscientemente fazer com que todos acreditem que é uma menina ou sofrendo por cada pequena falta de reconhecimento que experimente.

 

Outro exemplo seria o caso de uma mulher que, durante a gravidez, veja com frequência as imagens de notícias televisivas dos assassinatos de Tutsis nas mãos de Hutus em Ruanda. É um caso real e Beyer explica que “apesar de este fato acontecer a milhares de quilômetros, para o inconsciente é uma realidade. O cérebro da mãe de alguma forma diz à criança que os homens são capazes de fazer monstruosidades com sua Potência, então a solução é que os homens não sejam poderosos. E como fazê-lo? Sem hormônios sexuais, e a criança cresce sem a produção de hormônios sexuais, sem testosterona. Não foi a vontade que atuou, foi o inconsciente, e quando a mãe tomou consciência o menino mudou e um mês depois ele já tinha testosterona “.Para as pessoas que já iniciaram um caminho de conexão com o Ser, há uma limitação que pode aparecer depois: conetar com a Potência produz dor. “Imagine que, durante anos, você nunca tenha movido a articulação do cotovelo, se alguém o move, esse movimento é algo normal, mas você gritará de dor”, diz Beyer. “Vamos movê-lo, faz parte da vida. Da mesma maneira, quando a energia espiritual aumenta, você pode ter dores, é normal. O que você tem a fazer é acolhê-la mesmo que doa. “

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][ultimate_heading main_heading=”Como a psiconeurodontologia ajuda nesse processo de descoberta da alma?” main_heading_color=”#1e73be” main_heading_font_family=”font_family:Montserrat|font_call:Montserrat|variant:300″ main_heading_style=”font-weight:300;” main_heading_font_size=”desktop:20px;” margin_design_tab_text=””][/ultimate_heading][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

“A neuropsicologia reconheceu isso faz cinco a dez anos: toda emoção desencadeia um programa biológico. É uma lei da vida”, diz Beyer. Então uma cárie é um reflexo de emoções que ocorreram antes da sua aparição.” Uma cárie pode estar falando de traição, outra pode falar de injustiça, outra de desespero, e assim por diante até completar o catálogo de sentimentos humanos, de dramas íntimos que puderam ser gravados não somente na própria vida, como também serem herdados como  memória inconsciente dos antepassados.

 

A psiconeurodontologia permite, então, percorrer o caminho inverso. Que sofrimento no inconsciente levou a essa alteração biológica? Acessar o inconsciente através dos dentes. Os dentes número seis (primeiro molar) nos dizem sobre conflitos de potência e, por exemplo, um dente seis desvitalizado pode nos revelar o ressentimento da criança que percebe que seu nascimento não era desejado por sua mãe. Os dentes número sete (segundo molar) estão associados à individualidade e, portanto, ao Poder, e reagem ao sofrimento de submissão, etc.

 

Assim, a psiconeurodontologia é uma disciplina privilegiada para trazer luz aos dramas inconscientes da pessoa que são a causa do corte com sua dimensão espiritual e da entrega involuntária da direção de sua vida ao seu ego. A identificação e desativação desses sofrimentos permite a plena ativação dos hormônios sexuais, o reaparecimento da Potência e com isso se limpa o caminho até a conexão espiritual. Paz interior, clareza de idéias, facilidade de decisão, amor…

 

Esta conexão com o que realmente somos nos permite fluir e abre as portas do Céu na Terra ao encontrar o caminho que a vida sempre esperou de nós. Beyer expressa isso com sua particular visão poética: “a escolha que o espírito queria nos fazer viver está em nosso coração e sempre esteve aí. Então, quando há uma escolha a ser feita, de olhos fechados, entre no seu coração e diga: “senhor, o que queres que eu faça? Isso? Ok, eu obedeço.” E sabe que é de uma liberdade absoluta e uma leveza total, agir sem agir… Eu atuo porque Isso quer que eu o faça, mas não atuo com o ego. É uma frase do Tao, agir no não agir. Passei 25 anos para compreendê-la, mas não precisa ser entendida, tem que ser vivida e quando você a tiver vivido, você diz sim … Era isto”.

 

Fiel ao seu estilo, Christian Beyer oferece em sua palestra sobre a Potência e o Poder também várias pérolas na forma de linguagem: “o ego não é um inimigo, é apenas uma criança à qual não foi explicado nada da verdade”; “O silêncio é a mais bela música de Deus e no silêncio não está o vazio, está cheio de todas as possibilidades”; “Feche seus olhos e deixe que venham as pessoas que você tenha amado e em algum momento você terá a impressão de que seu coração não pode conter tanto amor. Deixe ir quem queira deixá-lo, mas mantenha isso, mantenha esse sentimento, é um presente que foi dado a você” ou “se nós integramos toda a nossa dimensão da alma em nossa estrutura encarnada, então nós a tornamos real na Terra e isso é o que se chama realização”.

Resumo feito por Adolfo Díaz Ubeda

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

More to explorer

Deja un comentario