Meditação e amor humano são treinamentos para o amor verdadeiro

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Em sua palestra “A dinâmica do masculino e feminino”, resumida abaixo, o Dr. Christian Beyer esclarece algumas confusões sobre essas duas energias que movem a vida e desenvolve sua relação com o amor e o crescimento espiritual. Porque “o feminino não se desenvolve seguindo o conselho das revistas…”.

Quando você ouve Christian Beyer, tem a sensação de que alguns conceitos humanísticos e espirituais não estão bem colocados na psique ocidental atual. Um dos méritos do pai da psiconeurodontologia e da psiconeuromopatia é colocar esses conceitos em prática, o que geralmente tem um efeito quase imediato em nosso interior.

Um exemplo? Na palestra “A dinâmica do masculino e do feminino”, aprendemos que a frase “o que Deus uniu, que o homem não separe” não fala realmente de casamento entre duas pessoas. Fala dos pólos, macho e fêmea, que Deus colocou dentro de cada um de nós.

Nascemos com esses dois pólos e sua conexão em nosso interior é fundamental para nossa dimensão espiritual, por isso “que o homem não separe”. No entanto, essa separação é uma das tarefas que o ser humano fez melhor ao longo de muitos séculos: viver do ego rompeu a conexão entre esses dois pólos.

Nós não podemos experimentar nada além de um reflexo do amor de Deus (ou do Universo) em nossa realidade encarnada “, mas quando isso acontece, preenche todas as deficiências”, diz o Dr. Beyer. Para isso, é necessário deixar nosso Céu entrar em nossa Terra, a dimensão masculina no feminino, em nosso interior, e assim transcender o animal humano centrado na sobrevivência ou nos desejos de seu ego.

Em “A Dinâmica do Masculino e do Feminino” Beyer também desenvolve outras questões mais terrenas, mas cruciais para qualquer pessoa que acompanhe ou siga um processo de consciência: minha posição na árvore genealógica pode explicar meu sofrimento na vida? Por que em algumas famílias nascem muito mais homens do que mulheres ou vice-versa, ou qual o papel dos hormônios sexuais em um processo de reabertura espiritual?

Árvore genealógica e sexo esperado
O mental humano leva desde os primeiros homens a acumular memórias que passam de geração em geração, e é por isso que na nossa psicologia herdamos instruções inconscientes que podem condicionar toda a nossa vida.

Uma dessas memórias é o que Beyer chama de conflito da eternidade: “Uma luta entre o ego humano e Deus, em que o ser humano quer ser imortal”. Para isso, o homem precisa de um filho que, por sua vez, deve ter um filho e assim por diante, para que a essência do homem que iniciou a linhagem seja perpetuada. Beyer conta que é aqui que vem a tradição de dar ao filho o mesmo nome do pai. E qual é o conflito da eternidade da mulher? O mesmo, uma filha que a perpetue.

Ao longo dos séculos, isso ditou uma instrução inconsciente em cada família: se você é o primeiro, deve ser um menino e, se for o segundo, deve ser uma menina. “Aqui está o primeiro drama do romance masculino feminino”, diz Beyer.

“Então, se você é uma menina em primeiro lugar, você não é bem-vinda e a mãe tem que fazer um menino em segundo lugar.” Isso significará para essa garota um sério conflito inconsciente de reconhecimento e, claro, uma amargura inexplicável até que ela se torne consciente em algum momento de sua origem. “Posso afirmar o anterior porque verifiquei conflitos deste tipo em milhares de casos em consulta”, afirma Beyer.

“Se um menino nasce em segundo lugar, ele é bem-vindo porque já temos o casal”, mas se outra menina nasce na posição dois, embora seja a melhor posição esperada, também não é bem-vinda porque o inconsciente dos pais está procurando um menino.E a mesma coisa aconteceria se, depois de um homem na posição um, um segundo homem nascer: ele seria marcado pelo ressentimento por um sentimento de injustiça porque, talvez alguém decidiu seu sexo?

E por que é visto em algumas árvores genealógicas uma prioridade da biologia em relação a um sexo? Quer dizer, quase todas são garotas ou quase todos são garotos …

O mental humano (que inclui a parte inconsciente coletiva) tem como missão evitar o sofrimento. Então “se alguma vez na genealogia o homem tem sido desprezível, na geração seguinte ou nas seguintes gerações nascerão apenas meninas”,
explica Beyer. E por que às vezes acontece o contrário, que não existe uma menina? Nesse caso, “você tem que ir ver a árvore materna se há um conflito de valor que uma mãe dá à sua filha” (as que seriam a avó e a mãe da não nascida).

Uma grande confusão dos nossos tempos: a dinâmica feminina
O masculino e o feminino se articulam com diferentes características. “A dinâmica masculina é a do desejo: pegar,tomar, conquistar, fazer, construir. Se trata de ações no exterior, modificações na matéria … “. Como o movimento é centrífugo, ele vai de dentro para fora e transforma o mundo.

O feminino, no entanto, é centrípeto, dando acolhendo o de fora para dentro. E conta Beyer que conceitualmente “o feminino é algo muito difícil para o ego, mas muito natural para o corpo e o coração, é fazer esse gesto (um braço para frente e a mão aberta com a palma virada para cima): você pode me dar?“

Mas há uma grande confusão na vida atual: Beyer explica que existem imagens que são entendidas como femininas e não são, elas são masculinas. “O feminino não se desenvolve seguindo a maioria dos conselhos de revistas femininas: modificando o penteado, a roupa, pôr a maquilando-se de outra forma…,tudo isso não tem nada a ver com o feminino porque é uma mudança no exterior para obter alguma coisa, tem uma dinâmica masculina. É um aumento de valor, isso sim, você vai se sentir melhor e é bom para identidade e confiança, mas não é feminino. O verdadeiro feminino não é pegar, é receber. Mas esse gesto (a mão estendida para receber) perdeu completamente a associação com o feminino “.

E o que está por trás disso é uma grande confusão cultural sobre a ideia de receber: depois de seis anos aprendemos que para receber temos antes que dar e isso é uma dinâmica do ego, “é a lei da troca, da Terra que esquece o Céu, da biologia … Se você analisar bem, verá que todas suas relacões até agora têem sido baseados nesta lei “.

“Isso cria o conceito de injustiça”, explica Beyer, “que é a comparação entre o que tenho dado e o que tenho recebido, por isso educar as crianças nesse princípio era condenar a humanidade ao sofrimento, à dimensão animal. Como é possível que ninguém tenha se levantado para dizer ‘recuso-me a mostrar que mereço para receber’? Não, se acabou, algo em mim tem o direito de receber”.

O casal interior e o sagrado coração
“Então, quando há algo que você sente falta ou necessita, peça”, diz Beyer. “Peça e receberás … Ajuda-te e o Céu te ajudará”… Está escrito na Bíblia, que é um livro sagrado, isto é, que coleta com símbolos e metáforas a anatomia e a dinâmica da alma humana . Você não precisa merecer para que o Céu lhe dê, não é uma troca.
Beyer explica que quando há algo que falta você pode fazer na vida até o limite de seu poder e o Céu fará o resto. “Volte-se para o seu coração e em seu coração peça ao vosso Céu, e você receberá, está escrito, de acordo com vossos méritos “. Mas esses méritos, Beyer esclarece, não são os que temos aprendido ,

More to explorer

Deixe um comentário